Pesquisas volumosas demonstraram repetidas vezes que há perspectivas e ações que podemos cultivar, que tendem a elevar nossos níveis de felicidade. Incorporar práticas que aumentam a felicidade, nos abre para uma compreensão e equanimidade mais profunda e compassiva a respeito da vida.


A Arte e a Prática da Felicidade
Dr. Keith Witt , Jeff Salzman e Corey deVos

Segundo a pesquisadora de felicidade Sonia Lyubomirsky, 50% de nossa felicidade vem de nossa herança genética (o que os pesquisadores chamam de nosso “ponto de ajuste da felicidade”), 10% das circunstâncias da vida e 40% das decisões que tomamos e das atividades e perspectivas que escolhemos.

Não podemos escolher nossa genética ou controlar completamente as circunstâncias da vida, mas 40% da nossa felicidade estar relacionado com as atividades, decisões e escolhas voluntárias, é algo enorme! Podemos escolher fazer o que for preciso para curar e integrar traumas. Podemos optar por nos envolver em mais atividades que nos fazem felizes. Pesquisas volumosas demonstraram repetidas vezes que há perspectivas e ações que podemos cultivar, que tendem a elevar nossos níveis de felicidade.

Incorporar práticas que aumentam a felicidade, como realizar atos bondosos e celebrar os entes queridos, vitórias e triunfos, é uma cura, e também nos abre para uma compreensão e equanimidade mais profunda e compassiva. Abraçar as perspectivas de produção de felicidade como um estilo interpretativo otimista e manter atitudes mentais de crescimento ajudam a nos tornar mais alegres e sábios. Envolver-se em atos bondosos, celebrar as vitórias dos entes queridos, cultivar estilos interpretativos otimistas e manter uma mentalidades de crescimento são práticas e perspectivas particularmente potentes, mas há muito mais!

Aqui estão mais algumas das minhas práticas favoritas:

  • Exercícios;
  • Na vida social, criar e manter hierarquias de crescimento em vez de hierarquias dominadoras;
  • Aprender os princípios do perdão e praticá-los;
  • Manter uma dieta saudável para o nosso tipo específico de metabolismo e fisiologia;
  • Conectar-se com as pessoas que respeitamos, desfrutar e manter essas conexões, especialmente dando e recebendo favores, cultivando contato regular, compartilhando atividades e celebrando uns aos outros;
  • Se tivermos um cônjuge, cultivar a amizade, o amor, e as capacidades para lidar com desencontros e rupturas, traz de volta o amor e gera mais felicidade.

Todas essas atividades e perspectivas podem nos tornar mais felizes. Elas podem nos ajudar a ser mais flexíveis, suaves, resilientes e disponíveis para o contato positivo com os outros.

Felicidade: Qual é a sua definição?

Definir felicidade pode ser confuso porque é tanto um estado – a qualquer momento nos sentimos mais ou menos felizes – mas também um tipo [uma tipologia constitucional]. Essa contribuição constitucional de 50% para a felicidade geral significa que, alguns de nós, são mais facilmente felizes enquanto outros precisam batalhar mais pela felicidade.

Seja como um estado ou um tipo, muitas pessoas expressam difrentes definições de felicidade. A mais simples que encontrei é: “Espere que tudo seja exatamente como é.”

Minha definição pessoal de momento feliz (um estado de felicidade) é:

  • Experimentar a mim mesmo como uma boa pessoa boa,
  • Sentir-me grato pelo agora, e
  • Ser positivo a respeito do meu passado, presente e futuro.

– do livro “Learn How to Love More Completely” de Keith Witt
https://integrallife.com/ 

Compartilhar: