O universo, nós entendemos, não é uma cacofonia aleatória de ruído e entropia. Não, o nosso universo é verdadeiramente um “uni-verso” – Uma Única Melodia – o que significa que tudo nele está de alguma forma interconectado e unificado com tudo o mais. Tudo se encaixa.

Mas como tudo se encaixa?

Aqui, Ken Wilber explora a noção de Endereço Kósmico – um “sistema de indexação” universal que usa o modelo Integral para situar e constelar todos os fenômenos conhecidos (físicos, mentais e espirituais), bem como a nossa capacidade de discernir esses fenômenos. Isso nos permite não só entender melhor a natureza de cada componente, mas também como essa parte se relaciona com qualquer outra parte e se encaixa no todo, revelando a arquitetura oculta do próprio conhecimento.

Nas palavras de Ken:

Um endereço Kósmico, como eu tenho observado, é a soma das dimensões AQAL de um/qualquer dado fenômeno. Vivemos em um universo que é, formalmente, sem um centro – é um universo onde qualquer coisa ou evento pode ser tomado como o centro do universo, e assim todo o resto relaciona-se com essa localização (do fenômeno). Mas “essa localização” não pode ela própria ser dada de forma única e fixa, uma vez que ela não está localizada em relação a qualquer centro fixo; o próprio fenômeno pode ser localizado apenas em relação à soma total de todos os outros fenômenos no universo. Portanto, seu “endereço” – seu “Endereço Kósmico” – apenas pode ser indicado ao fornecermos uma lista de suas relações relativas a outros fenômenos conhecidos. A Matriz AQAL faz exatamente isso.

Assim, um endereço Kósmico simples de um determinado estado emocional pode ser a sua existência no quadrante 1 (Superior Esquerdo), na linha de inteligência emocional, em uma altitude âmbar, num estado denso/grosseiro, num tipo 5 no Eneagrama, com emoções contaminadas do tipo 4. No universo conhecido, essas são informações suficientes para identificar a “localização” geral desse estado emocional particular – juntamente com suas principais qualidades e características. Ou, um caça a jato como um produto ou artefato social, que existe no quadrante 4 (Inferior Direito), na linha de defesa militar, em uma altitude verde-azulado, em um estado denso/grosseiro, um caça tipo F-16, de um tipo dos Estados Unidos. Deus como o Fundamento Amoroso (O Grande Tu) é quadrante 2 (Inferior Esquerdo), altitude ultravioleta, linha bhakti [devocional], estado causal inicial, tipo Espírito-na-2ª-pessoa, tipo saguna*. E assim por diante.

Esses três referentes são reais; eles existem em um real e particular espaço de mundo; e a localização, ou o endereço Kósmico, de cada um podem ser indicados em relação à soma total de outros referentes reais no Kosmos, o que a matriz de dimensões AQAL faz. Qualquer número de elementos de identificação “localizadores” pode ser dado; e os cinco elementos AQAL são um mínimo necessário. Além disso, o conhecedor ou experimentador de qualquer desses referentes também tem seu próprio endereço Kósmico específico, e isso também precisa ser indicado para uma imagem completa. (Alguém no nível de altitude âmbar que está tentando entender um fenômeno de um nível índigo não fará um trabalho muito adequado e pode traduzi-lo erroneamente, isso precisa ser levado em consideração em qualquer processo de conhecimento, e a “localização” de qualquer referente incluirá o referente e o endereço Kósmico do conhecedor).

O argumento é que todos os referentes reais – incluindo cães, raiz quadrada de um negativo e o Deus sem forma – existem em espaços de mundo específicos; eles têm endereços Kósmicos específicos. Eles não estão descansando em um mundo de planura pré-dado, esperando ser percebido por todos, mas os espaços de mundo específicos devem ser contatados (os Endereços Kósmicos particulares devem ser identificados e alcançados), para que você se aproxime o suficiente da vizinhança do referente para poder experimentá-lo diretamente. (Nem mesmo um cão está aberto a ser percebido por todos os seres – uma única célula, por exemplo, não pode ver o cachorro porque não pode chegar perto de seu endereço Kósmico, então o cão não existe para ela).

-Ken Wilber, The Religion of Tomorrow
https://integrallife.com/kosmic-address-everything-right-place/

Saguna: uma divindade (Isvara) pessoal, causa material e direta do mundo e objeto de culto e de rituais – seria o Brahman como pessoa, segundo os Vedas. Um reflexo do absoluto através do véu da ignorância, o avidya, consequência da tentativa de conhecer a Verdade com uma mente sob a influência do Maya.